fbpx

O vinho é uma bebida social, ele reúne pessoas e pode ser apreciado desde um restaurante elegante até na areia da praia

Algumas pessoas acreditam que para apreciar um bom vinho é preciso um dia frio ou então uma data muito especial, mas especialistas da área afirmam que, para tomar um bom vinho basta estar em boa companhia. A bebida pode ser apreciada em qualquer momento.

Se a sua dúvida é quanto à harmonização do vinho com as refeições, saiba que essa regra pode variar bastante. “Isso depende do vinho e do prato que se vai comer. Algo tradicional como o macarrão, por exemplo, pode ser degustado com um vinho Chianti Italiano se for feito com molho vermelho. Mas, se o chef colocar pimenta demais pode combinar melhor com um Shiraz australiano”, explica Ivania Kiyomi Konno Amaral, assessora de marketing da Casa Flora, uma das mais importantes importadoras de vinho do país.

Ivânia dá outras dicas, para quem ainda tem dúvidas: vinhos leves devem ser tomados com comidas leves, já os encorpados com refeições mais substanciosas. O vinho doce combina com alimentos doces – no entanto o vinho deve ser mais doce que a comida. O vinho ácido deve ser apreciado com as comidas mais gordurosas e os tânicos com algo de textura rica.

Uma antiga regra de harmonização indicava que o vinho tinto deveria ser combinado com carnes vermelhas e o vinho branco com peixe, mas você pode combinar o Salmão com vinho tinto e o Filet Mignon com vinho branco, por exemplo. Em Portugal come-se bacalhau com vinho tinto, pois os portugueses não consideram o bacalhau como peixe. Uma combinação clássica de doce com salgado, que encontramos em todos os livros sobre o assunto, é degustar o Vinho do Porto com queijo.

Para as sobremesas a principal dica é optar por um vinho mais doce do que a sobremesa que será servida. Os brancos doces caem bem com esse tipo de refeição. Mas mesmo com tantas dúvidas que teimam em nos cercar, quando o assunto é harmonização de vinhos, esse é um desafio interessante e recompensador, por isso, é importante conhecer a variedade de opções nacionais e internacionais e escolher produtores idôneos.
Mesmo com toda teoria em torno da bebida, o que vale é experimentar e apreciar dos variados sabores e sensações que ele pode proporcionar.

Texto adaptado da Revista Quadra Prime – 1ª edição
Fotos: Web

Share This